TEXTO

“Surgirão muitos falsos profetas, que enganarão a
muitos; e, por causa do aumento do que é contra a lei,
o amor da maioria esfriará.”

Mateus 24:11, 12
Amauri Jr - dono e administrador do Blog

terça-feira, 12 de setembro de 2017

ALÉM DAS VACINAS, BILL GATES INVESTE EM CARNE SINTÉTICA PARA OS CONSUMIDORES EM PROL DA REDUÇÃO POPULACIONAL

Resultado de imagem para bill gates meat

Não há dúvida de que, em todo o mundo, com exceção de países com motivos religiosos de abstenção, as pessoas adoram comer carne. Seja um bife delicioso no churrasco ou o frango assado da sua mãe, a maioria de nós associamos bons momentos e lembranças familiares com carne de algum tipo. Com o ritmo agitado em que a tecnologia está se movimentando, no entanto, mesmo a simples alegria de desfrutar de carne no jantar pode ser uma coisa do passado - a menos que você esteja disposto a comer carne sintética. É isso mesmo: todos nós podemos ser forçados a comer hambúrgueres de laboratório e frangos de tubo de ensaio, se uma empresa chamada Memphis Meats conseguir o que pretende.

O site Daily Mail do Reino Unido informou recentemente que a Memphis Meats - a qual produz frango e carne bovina em tubos de ensaio - se aproximou consideravelmente do seu objetivo de produzir carne sintética, depois de receber financiamento de vários grandes figurões, incluindo Richard Branson da Cargill - uma das maiores empresas agrícolas do mundo - e o cara envolvido em todos os negócios: Bill Gates.

É o próprio Bill Gates que disse em uma conferência TED 2010: "O mundo hoje tem 6.8 bilhões de pessoas... e se dirige para cerca de 9 bilhões. Agora, se fizermos um excelente trabalho em novas vacinas, cuidados de saúde e serviços de saúde reprodutiva, poderemos diminuir isso para talvez 10 ou 15%."

Independentemente de questões éticas ou outras relacionadas à carne sintética, seria sábio pensar duas vezes em comer "carne" financiada por um cara que acredita que as vacinas devem ser usadas para reduzir a população mundial.

Coletivamente, a empresa de capital de risco DFJ obteve US$ 17 milhões em capital de investimento da Memphis Meats de Gates e outros membros da elite rica.

Leia também: Melinda Gates faz Doação para Indústria do Aborto para Acelerar a DEPOPULAÇÃO de Negros

Embora todo o conceito de carne cultivada em um tubo de ensaio usando "soro fetal bovinode sangue de bezerros" soa francamente nojento, Memphis está chamando suas novas ofertas de jantar de "carne limpa" e espera fornecer hambúrgueres, cachorros-quentes, salsichas e almôndegas falsos para os consumidores nos próximos dois anos.

A empresa já criou com sucesso uma almondega usando essa tecnologia, e a revelou ao público em fevereiro de 2016.

Os "filantropos" envolvidos parecem encantados com o seu investimento.

Richard Branson disse ao site Bloomberg: "Estou emocionado por ter investido na Memphis Meats. Eu acredito que em 30 anos ou mais não precisaremos mais matar nenhum animal e que toda a carne estará limpa ou baseada em vegetais, terá o mesmo sabor e também será muito mais saudável para todos".

O líder do grupo Cargill Protein, Brian Sikes, concordou com orgulho, dizendo: "Na Cargill, reconhecemos que a carne é uma parte central das dietas do consumidor e central para muitas culturas e tradições. Acreditamos que os consumidores continuarão a escolher a carne como uma fonte de proteína, e é por isso que estamos focados em trazê-la à sua mesa de forma sustentável e econômica o quanto pudermos. Nossas proteínas tradicionais, bem como novas inovações como carnes cultivadas, são ambas necessárias para atender a essa demanda".

A Memphis afirma que sua nova técnica produzirá 90 por cento menos emissões de gases de efeito estufa (o que certamente delicia a histeria do aquecimento global). O único benefício definido que tal "carne" teria é que eles afirmam que não será cheia de antibióticos.É de se perguntar, no entanto, se a bombearem com hormônios de crescimento para acelerar a produção para uma população global de bilhões de pessoas.

Claro, os amantes dos animais ficarão encantados com o fato de os animais não terem mais que ser abatidos, mas a questão ardente ainda permanece: o que dizer dos pobres bovinos necessários para o soro fetal bovino?

E como um mundo sem carne deixaria todos os criadores de gado? Como eles se ajustarão?

Finalmente, com a carne feita em tubos de ensaio, não será ainda mais fácil para os poderes colocar todos os tipos de coisas em nosso abastecimento de alimentos?











Via: http://www.anovaordemmundial.com/ e http://www.naturalnews.com/2017-08-31-same-bill-gates-that-calls-for-vaccines-to-reduce-human-population-invests-in-lab-grown-meat-company-that-hopes-to-sell-synthetic-meat-to-consumers.html

6 GRANDES BANCOS MUNDIAIS SE UNEM PARA CRIAR NOVA CRIPTOMOEDA MUNDIAL PARA UM GOVERNO ÚNICO GLOBAL

Logotipo do banco Barclays

Segundo o portal CoinDesk, o projeto denominado Utility Settlement Coin (USC) foi lançado há um ano pelas empresas financeiras UBS, BNY Mellon, Deutsche Bank, Santander e NEX com o startup britânico Clearmatics. Os bancos multinacionais Barclays, CIBC, Credit Suisse, HSBC, MUFG e State Street se uniram à iniciativa recentemente. 

O projeto visa preparar o caminho para que os bancos centrais contem com criptodivisas no futuro, possibilitando que entidades globais executem uma grande variedade de transações entre si através do uso de ativos garantidos em blockchains personalizados.

O dinheiro digital será a chave dos mercados financeiros, por isso os principais bancos do mundo não querem ficar para trás. Na verdade, os gerentes do projeto estiveram em contato com bancos centrais e reguladores para garantir que USC cumpra todos os requisitos, tais como a política de proteção de dados ou segurança cibernética.

Embora a nova criptomoeda tenha um alcance limitado de início, o chefe de investimento e inovação de tecnologia financeira do USC, Hyder Jaffrey, explicou ao portal o impacto potencial que o projeto poderia vir a ter: "Nós o vemos como um trampolim para que no futuro os bancos centrais emitam sua própria criptomoeda."







Via Sputinik

BANCO SANTANDER PROMOVE PEDOFILIA, PORNOGRAFIA E ARTE PROFANA EM EXPOSIÇÃO E GERA INDIGNAÇÃO, PROVOCANDO O CANCELAMENTO DE 20 MIL CLIENTES

Resultado de imagem para SANTANDER PEDOFILIA

O Santander Cultural está sediando a exposição Queermuseu, na cidade de Porto Alegre. São cerca de 270 obras que promovem a pedofilia, a pornografia e os mais variados ataques à moral e aos bons costumes que se possa imaginar.

Para o Presidente da instituição, Sérgio Rial, a exposição “está ancorada em um conceito no qual realmente acreditamos: a diversidade observada sob aspectos da variedade, da pluralidade e da diferença”, que cada vez mais ganha “atenção por parte da nossa organização”, segundo consta no encarte de apresentação. Quer com isso promover o “questionamento entre a realidade das obras e do mundo atual em questões de gênero e suas nuances”. No mínimo se trata de um sujeito para o qual não há diferença nenhuma entre uma laranja e uma mexerica.

Segue ainda afirmando: “Diferentes ângulos de visão e abordagens são fundamentais e extrapolam questões institucionais ou relacionadas ao politicamente correto. Trata-se de um valor para a nossa empresa, pois acreditamos que a diversidade é a impulsionadora da criatividade e da eficiência”. Há, é claro, no mínimo uma confusão entre processo criativo e necessidade de expor intimidades.


No entanto, antes de analisar os argumentos do curador da exposição, é preciso lembrar que agosto é o mês da temática LGBTQ no Santander Cultural, como mostra a imagem a seguir. E por falar em LGBTQ, daqui a pouco vai faltar alfabeto para atender às demandas da sigla.



Gaudêncio Fidelis, o curador da exposição, pode até ter doutorado em história da arte, mas certamente arte não é a sua especialidade, apenas confusão. Isso será explicado a seguir com base no que ele escreveu para o encarte de apresentação dos trabalhos.

Primeiramente, ele fala na diferença como alteridade. Isso não passa de um curto-circuito cerebral dos ditos especialistas em arte contemporânea que já há tempos se distanciaram do verdadeiro objetivo da arte: a consagração do belo. Hoje o artista precisa causar impacto, e só. Veja outra das obras expostas para melhor ilustrar:



Para Fidelis, o “objetivo é propiciar um campo de investigação sobre o caráter patriarcal e heteronormativo do museu como instituição”, “pensar fora da norma”, “provocar um deslocamento, ao menos temporário, no conceito de museu como instituição”. Para sujeitos assim, a tradição não tem qualquer papel numa sociedade a não ser oprimir desejos insaciáveis e estabelecer parâmetros normativos para enquadrar as pessoas em determinadas categorias.

Observe como um depravado começa a perverter o vocabulário da língua portuguesa. Ele diz que o termo queer, que dá nome à exposição, apresenta um “significante não normativo”. Traduzindo: trata-se de um termo fora da norma previamente estabelecida. Isso acontece como os atuais juristas defensores dos direitos dos animais, que criaram um novo termo: animais não humanos. Percebe-se que, ao expressar alguma coisa como “não normativa”, não o distancia da “norma”, apenas quer dar um caráter de oposição para justamente enquadrá-lo como uma “espécie de norma”. Para quem quer maiores detalhes de como isso funciona, George Orwell bem relatou no livro “1984”. Mudanças desse tipo no vocabulário geram uma verdadeira confusão irrecuperável na cabeça das pessoas, sobretudo nos estudantes em processo de formação.

Ainda, segue desenvolvendo o assunto: “Concebido sob uma perspectiva conceitual de uma exposição, o termo queer mostra-se instrumento para subverter a consolidação de uma política de identidade essencialista, uma vez que este permite a derrubada de barreiras de gênero sem necessariamente impor outras”. Ou seja, ele quer perverter a arte dizendo apenas da boca para fora que essa não é a sua intenção. Será mesmo?!?








Para Fidelis, a criação de barreiras normativas criou uma barreira conservadora e uma política de diferenças. Os únicos movimentos que impõem tais diferenças são os movimentos das minorias. Eles não querem igualdade coisíssima nenhuma, mas a criação de amplos poderes para formação de classes de intocáveis.





A exposição quer desafiar os modelos curatoriais tradicionais, especialmente aqueles de perspectiva heteronormativa, como eles bem dizem: “O cânone pode ser considerado o bastião do estabelecimento da heterormatividade, sendo capaz de assegurar o prestígio de determinadas obras em detrimento de outras” (sic).

“Queermuseu é, assim, uma exposição voltada para uma curadoria crítica fundada na democracia e na visão de um processo de inclusão”, diz o encarte. Até mesmo o conceito de democracia não é perdoado, pois qualquer ato de rebeldia está sendo enquadrado como “liberdade de expressão”.

Trata-se de um projeto desenvolvido pela Lei de Incentivo à Cultura, com apoio do Ministério da Cultura e Governo Federal, ou seja, “arte” patrocinada com o dinheiro de quem trabalha.




Para os novos parâmetros da arte, a beleza pouco importa se o artista for capaz de causar espanto, de transgredir normas e inserir os seus trabalhos numa proposta de gênero. Poucos sabem que a arte é uma forma de transcender o barbarismo e as limitações do imaginário humano, na busca incansável pelos altos picos de realização do homem: é um ato de defesa da civilização.

--

Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta.






Via 
http://www.locusonline.com.br/2017/09/06/santander-cultural-promove-pedofilia-pornografia-e-arte-profana-em-porto-alegre/ e http://viporaiposteiporaqui.com/2017/09/10/banco-santander-perde-mais-de-20-mil-clientes-em-dois-dias-apos-exposicao-pornografica/

SANTANDER E A IMORALIDADE SEXUAL



Por Silas Anastácio


Estamos vivendo no Brasil, uma expansão sem precedentes da imoralidade sexual, gerado pelo aumento da iniquidade da nação e do vazio deixado pelos cristãos.

A Igreja Brasileira tornou-se um lugar seguro para as práticas de Jezabel, enquanto isso, mais e mais Templos utilizam festas e entretenimentos para ocupar e reunir os cristãos, ao invés disto, deveriam ser preparados com estudos bíblicos expositivos e incentivados a pregar o evangelho genuíno, chamando a nação ao arrependimento.

Grandes marcas, empresas, mídia, bancos entre outros segmentos de empresas, estão se organizando para banir a influência cristã do ocidente e do mundo, em seguida, logicamente liberar todas as práticas sexuais imagináveis e inimagináveis, tais práticas são antigas, mas ainda estão vivas e fortes nas nações e que levaram inúmeras nações a destruição. Observe também que este mesmo grupo que envolve empresas e mídia não faz nenhuma crítica contra o islamismo, seus deuses, assim como suas práticas genocidas.

O mesmo cenário que levou as nações a queda, já é o mesmo cenário que levará o Brasil a ruína, diante de nossos olhos!

Meu artigo sobre o assunto:

http://www.ministeriodavar.com/a-depravacao-sexual-precede-a-ruina.aspx



Não diferentemente de outras marcas e empresas, agora foi a vez do Banco Santander, que ultrapassou todos os limites morais e fez uma exposição LGBT, que promovia a pedofilia e zoofilia.

Também zombaram de figuras e imagens católicas, colocando a figura de Jesus como macaco em um quadro, já em outro, ele foi colocado crucificado como Kahli, deusa hindu.

Importante destacar que os deuses hindu, assim como quaisquer outros deuses, são ligados a orgias sexuais, prostitutas cultuais, homossexualismo e sacrifícios humanos. O único D'us que possui um padrão diferente das nações gentílicas, trata-se do D'us de Israel, criador dos céus e terra, que por inúmeras vezes, descreveu tais práticas como abominações.

Reportagem sobre a exposição:

https://noticias.gospelprime.com.br/exposicao-coloca-imagens-de-jesus-ao-lado-de-pedofilia/


Tamanho foi o estrago que a exposição Sodomita fez, que o curador teve que cancelar:

https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/curador-de-mostra-cancelada-no-rs-diz-que-decisao-foi-unilateral-21806070


Um importante nome no Brasil, mostrou sua indignação contra as práticas do Banco Santander, o Juiz Federal William Douglas, que em seu perfil, pediu boicote ao banco, declarando isto ser um crime.


Já a advogada Rubenita Lessa, que é um importante nome em defensa da família, aconselha a Igreja Brasileira como se deve proceder nestes casos:


..."Ingressar com representação no MPF para apurar os danos coletivos e em face dos crimes cometidos pelo curador da mostra e responsável pelo Santander Cultural

Qualquer cidadão Cristão pode ingressar com ação por danos morais contra o Banco Santander, e se o Santander Cultural tiver CNPJ próprio, deve ser ele o demandado, cumulativamente ao curador das obras.

As igrejas por meio de suas associações ou diretamente podem ser autoras em ações por indenização por danos morais e representações no MPE RS ou MPF em cada Estado..."


De acordo com o site Versalic, a transferência de parte do dinheiro público para a exposição ocorreu 14/08/2017, sob o governo Temer, que teve apoio quase que total da bancada evangélica.

Meu artigo sobre a bancada evangélica:

http://www.ministeriodavar.com/o-profano-e-o-santo-bancada-evangelica.aspx


O valor aprovado pelo governo Temer foi R$ 850.560,00!

http://versalic.cultura.gov.br/#/projetos/164274


Do profeta Judeu Jeremias:

A nação de Judá estava mergulhada em idolatria, o sistema religioso estava prostituído, corrupção em todas as classes sociais, depravação sexual, exploração dos pobres etc.

Diante deste cenário, Adonai diz:

..."Ainda que Moisés e Samuel se pusessem diante de mim para interceder por este povo, meu coração não se inclinaria a eles.."

..."estou cansado de ter compaixão, Judá me rejeita!..."

Adonai está tão cansado das práticas iníquas da nação, então ele define 4 classes de punição sobre a nação:

1) Morte - Por epidemias;
2) Espada - Diante da guerra com os Babilônicos;
3) Fome - Causada por grandes secas e mantimento saqueado;
4) Cativo - Os sobreviventes seriam escravos na Babilônia;



Via http://www.ministeriodavar.com/santander-e-a-imoralidade-sexual.aspx

SERÁ? NASA REVELA ORIGEM DE LUZES QUE ILUMINARAM CÉU DO MÉXICO DURANTE TERREMOTO; VEJA VÍDEO

Resultado de imagem para luzes céu méxico terremoto

Será mesmo? Quem acredita na Nasa? mas fica aí o registro do acontecimento...

A agência espacial norte-americana (NASA) divulgou nesta sexta-feira (8) que as luzes vistas iluminando o céu da Cidade do México durante o terremoto que ocorreu em 7 setembro são um fenômeno natural ocasionado pela carga eletromagnética gerada pelas rochas. A explicação foi relatada pelo cientista da NASA Friedemann Freund ao jornal mexicano El Universal.

O terremoto severo de magnitude 8,4 sacudiu o México e provocou a morte de 32 pessoas, além de deixar milhares de desabrigados, conforme relato da Unidade Federal de Proteção Civil do país.

"O choque das placas tectônicas produziu terremotos, mas quando "o nível de stress (entre as rochas) é alto, surgem cargas eletrônicas que transformam momentaneamente uma pedra isolante em um semicondutor", explicou Freund. 

O cientista da NASA detalhou que semicondutores são materiais com nível de condutividade elétrica, entre algum metal e um isolador, e são utilizados para fabricar transistores. 

"Desta forma, durante o terremoto, "as pedras da crosta terrestre crescem e se curvam sob o ataque das forças tectônicas, as cargas [eletromagnéticas] que estão dentro, são liberadas e geram uma variedade deslumbrante de fenômenos que até fazem parte do folclore dos terremotos em várias regiões do mundo", completou Freund.



terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

EUROPA ACELERA O MOVIMENTO PARA COMEÇAR A ELIMINAR O PAPEL-MOEDA E INTRODUZIR O CHIP IMPLANTÁVEL

Resultado de imagem para fim do dinheiro em especie europa

À sombra da onda de ações controversas de Donald Trump, a comissão européia lançou calmamente a próxima ofensiva na guerra contra o dinheiro. Estes burocratas não eleitos afirmaram corajosamente sua intenção de reprimir as transações de papel em toda a E.U. E solidificar uma tendência que vem ganhando impulso há anos.

A incerteza financeira ampliada pela Brexit tem incentivado os governos em toda a Europa a tomar maior controle sobre seus sistemas bancários. França e Espanha já criminalizaram as transações em dinheiro acima de um certo limite, mas agora a comissão estabeleceu unilateralmente novas regulamentações que afetarão todo o sindicato. O medo do dinheiro físico que sai do bloco comercial tem manifestado uma resposta draconiana do Estado.

O Plano de Acção Europeu não menciona um montante em dólares específico para as restrições, mas como esperado, o seu raciocínio para a mudança é frustrar o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo. Os controlos de fronteiras entre países já foram reforçados para ajudar a implementar estas novas normas em activos duros. Embora esses objetivos finais sejam plausíveis, há outras motivações claras para os governos direcionarem o papel-moeda que não são tão nobres.

Taxas de juros negativas e alta inflação são uma combinação mortal que poderia desestabilizar ainda mais a já frágil união no futuro. Com menos circulação de moeda física, essas tendências garantem que o impacto de quaisquer políticas adicionais do banco central será maximizado. Se as condições econômicas se deteriorarem, a ameaça de os cidadãos tirarem dinheiro de suas contas e iniciarem uma corrida bancária será eliminada num sistema sem dinheiro. Enquanto a riqueza das pessoas estiver sob controle centralizado, os fundos podem ser transferidos à vontade para ocultar quaisquer problemas subjacentes. Mas quanto mais tempo este jogo de shell é permitido para persistir, mais doloroso será quando a realidade substitui a manipulação.

Desde que o ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kenneth Rogoff, publicou um documento no ano passado defendendo a retirada do projeto de US $ 100, os governos de todo o mundo empurraram suas agendas para uma sociedade sem dinheiro. Ele escreveu:

"Há poucas discussões entre as agências de aplicação da lei de que o papel moeda, especialmente as notas grandes, como o projeto de US $ 100, facilita o crime: extorsão, extorsão, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e humanos, corrupção de funcionários públicos e terrorismo. Existem substitutos para dinheiro-criptocorrentes, diamantes não cortados, moedas de ouro, cartões pré-pagos - mas para muitos tipos de transações criminosas, o dinheiro ainda é rei. Oferece absoluto anonimato, portabilidade, liquidez e aceitação quase universal."

Este anúncio vem apenas alguns meses depois que a nota de 500 euros foi descontinuada, e segue a liderança da Índia em subverter a independência financeira de seus cidadãos. As medidas incrementais que estão sendo tomadas atualmente podem parecer triviais de forma isolada, mas o fim último é lançar as bases de toda uma rede para a repressão econômica.

O povo alemão colocou-se em forte oposição à ação e anteriormente empurrado duro contra a legislação nacional que teria limitado dinheiro. Quase 80% de todas as transações na Alemanha são feitas com papel moeda, colocando o motor econômico da Europa em conflito direto com a visão que vem de Bruxelas.

O efeito de transbordamento afetou novas formas de investimento, como a Bitcoin, que testemunhou um aumento astronômico nos últimos meses e foi trazida de volta para a discussão como uma alternativa viável às moedas fiduciárias. Evidentemente, a E.U. A Comissão também está tentando impor limitações semelhantes às cripto-moedas para garantir que nenhuma transação caia fora de seu domínio. O ECB e BOJare trabalham para uma rede de blocos de cavalos de Tróia que servirá apenas para atrair aqueles ingênuos o suficiente para confiar nele.

O ex-secretário do Tesouro, Larry Summers, escreveu no ano passado que a E.U. Seria provavelmente o pioneiro do Ocidente para este novo modelo digital:

Mas uma moratória sobre a impressão de novas notas de alta denominação faria o mundo um lugar melhor. Em termos de medidas unilaterais, o ator mais importante é, de longe, a União Europeia. O € 500 é quase seis vezes mais valioso que os $ 100. Alguns atores na Europa, especialmente a Comissão Européia, demonstraram simpatia pela idéia e o chefe do Banco Central Europeu, Mario Draghi, também demonstrou interesse ".

Desde que a atenção do público tem sido atraída para manipulações emocionais e acrobacias políticas, a ameaça que a guerra em dinheiro representa não foi reconhecida. Em vez de alimentar a energia em sistemas destinados a dividir e conquistar, os indivíduos devem educar-se para garantir seus próprios futuros financeiros. Ao se submeterem à mente da colméia e seguindo a mídia para baixo, qualquer furo de coelho que escolherem, as questões mais importantes de hoje passarão despercebidas. O valor de defender alternativas descentralizadas e físicas ao sistema bancário pode não ser facilmente compreendido pelos ativistas de hoje, mas poucas outras coisas têm o potencial de erodir a liberdade em uma escala tão maciça.



Via http://theantimedia.org/cash-europe-moves-elimination-paper-money/ e UND

sábado, 11 de fevereiro de 2017

CIENTISTAS DA ONU ADVERTEM SOBRE POSSÍVEL GUERRA NUCLEAR... POR CAUSA DA ÁGUA

Científicos de la ONU revelan cuál podría ser el detonante de la primera guerra nuclear

O primeiro conflito nuclear na Terra poderia começar entre a Índia e o Paquistão devido às crescentes tensões entre ambos países sobre o acesso à água potável no subcontinente índio e os conflitos em torno das águas do rio Indo, informam os cientistas da Universidade das Nações Unidas.

A bacia do rio Indo é uma "bomba relógio" que pode explodir a qualquer momento, já que a crescente escassez de água na região poderia provocar mudanças irreparáveis no clima e aumentar as tensões entre a Índia e o Paquistão, dois países com arsenais nucleares à sua disposição, afirma Vladímir Smajtin da agência RIA Novosti, diretor do Instituto para a Água, Meio Ambiente e Saúde das Nações Unidas em Hamilton, Canadá.

Segundo o cientista, o conflito pelos recursos hídricos no subcontinente índio intensificou-se nos últimos anos e chegou ao seu auge há um mês, quando a Índia anunciou sua intenção de revisar o tratado sobre as águas do Indo, que desde 1960 regula a exploração do rio pelos países. O Paquistão considerou esta ação da Índia como um ato hostil e declarou que interpretará como "uma declaração de guerra" a anulação do tratado por parte de seu vizinho.

O problema é agravado pelo crescente consumo de água em dois países vizinhos da Índia e Paquistão: China e Afeganistão.

Os cientistas destacam que a falta de água e os cortes de abastecimento levariam à uma instabilidade política interna nos países, sobre todo o Paquistão, um país que já consume uma grande quantidade de água e cujo sistema encontra-se à bordo do que se pode considerar "um estado falido".

Robert Wirsing, um dos autores do relatório, afirma que a longa história de conflitos entre as três potências nucleares da região (Paquistão, Índia e China) indica que as previsões da dinâmica ante um possível conflito serão negativas e que, nos próximos anos, aumentará a probabilidade de conflito, em particular, um conflito nuclear.




Via: RT e http://www.anovaordemmundial.com

GANGUES DE "ESTUPRO ISLÂMICO" SE MULTIPLICAM NO REINO UNIDO


No século passado, no final dos anos 90 para ser exacto, eu era um "homem de Esquerda", embora já estivesse a começar a minha viagem para longe da Esquerda, em direcção a uma maneira muito mais aberta de pensar. Naquela época, comecei a ouvir rumores obscuros, por parte de gente minha conhecida, acerca de terríveis acontecimentos no norte da Inglaterra. Esses rumores eram sobre coisas tão horríveis e sobre crimes tão maus, que me pareciam exageros, ou mesmo mentiras. Parecia-me na época ser o tipo de exagero desonesto que alguém inventaria para promover uma agenda política. Para minha vergonha sem fim, por um tempo, juntei-me ao coro dos que diziam "não pode ser verdade" e "deve ser algum boato, lançado para provocar problemas". Espero que D'us me perdoe por tal lapso, e por ter embarcado no bem-pensantismo maioritário.

O Eterno deu-me uma mente, e eu deveria tê-la usado melhor nessa época. Fui treinado como repórter de Tribunal, e esse treino deveria ter-me forçado, embora eu já não fosse jornalista, a investigar um pouco mais, para ver se havia alguma verdade nesses rumores. Devia ter sido um pouco mais crítico. Seria possível que na Grã-Bretanha - perguntava-me eu - estivesse a acontecer tal horror? Que um grupo, os muçulmanos, estivessem a atacar os filhos de outro grupo - a classe trabalhadora branca - por meio de estupros e abusos sexuais dos mais terríveis? 


Por causa da minha carreira como jornalista, desde meados dos anos 80, eu tinha muitos contactos profissionais com polícias, funcionários municipais, funcionários do tribunal, profissionais do sector de ensino, assistentes sociais e políticos eleitos. Nenhum deles me tinha informado de que coisas tão horrendas estavam a acontecer, o que era um estímulo adicional para acreditar na maioria bem-pensante. Nenhum dos meus amigos feministas ou esquerdistas ou gays da minha cena social na época, acreditava que esses rumores tivessem alguma substância. 


Diziam que se tratava de "uma fantasia de extrema-direita para despertar o ódio contra muçulmanos pacíficos". Eu fazia parte do mesmo establishment esquerdista que agora vejo que está tão, mas tão errado. Em minha defesa, quero dizer que eu era "muito humano" e com as mesmas fragilidades humanas e vulnerabilidade à propaganda e às imbecilidades, como qualquer outra pessoa.


Alguns anos mais tarde, no início dos anos 2000, os rumores não tinham parado, as histórias de horror não tinham parado, e eu comecei a ter uma mente mais aberta sobre algumas das coisas que ia ouvindo. E também comecei a fazer mais perguntas sobre os valores da Esquerda. Pessoas credíveis, pessoas em quem eu confiava, e entre elas os apoiantes tradicionais da classe trabalhadora, começaram dizer-me: 'Tu não fazes ideia do que está a acontecer em lugares como Rotherham e Rochdale'. A minha mente começou a voltar-se para os rumores obscuros que eu tinha ouvido sobre os acontecimentos nas nossas cidades do Norte, e comecei a perguntar-me: "E se esses rumores forem verdadeiros?”. Mesmo que os rumores que eu ouvia sobre gangues de muçulmanos que tinham como alvo meninas e mulheres jovens para abuso sexual fossem apenas parcialmente verdadeiros, representariam mesmo assim um monstruoso conjunto de crimes.


Comecei familiarizar-me mais com a Internet e tomei consciência, com horror, através de vários jornais locais e outras fontes sérias, de que havia um grande número de criminosos sexuais muçulmanos, e que, com frequência, eles atacavam meninas da classe operária branca, especialmente meninas vulneráveis e menores de idade. 


Muçulmanos estupradores de crianças.

A partir de meados dos anos 2000 comecei a aprender mais sobre o Islão, em parte porque tive que organizar uma conferência que naquele ano teve uma vertente de "fé". A partir daí, descobri que, embora existam muitos muçulmanos que são boas pessoas, a ideologia que eles seguem tem aspectos que a levam a entrar em conflito com o tipo de sociedade livre e igualitária que foi criada no Ocidente. 


Além disso, descobri que quanto mais eu lia sobre o Islão, mais eu não gostava dele. E também pude ver por mim mesmo os efeitos negativos que o Islão estava a ter na área em que cresci. À medida que se tornava mais dominado pelo Islão, o ambiente tornava-se mais ameaçador, mais monocultural e muito menos aquele em que eu queria viver. Comecei a tornar pública a minha aversão ao Islão quando comecei este blogue na sua forma actual, em 2012 (anteriormente eu tinha comentado em outros blogues e fóruns). Para meu horror e vergonha, quando comecei a fazer pesquisas sobre o Islão no Reino Unido, descobri que muitos dos rumores que tinha ouvido alguns anos antes eram em grande parte verdadeiros. Os "gangues de estupro islâmicos" não eram uma "fantasia de extrema-direita", como muitos na Esquerda me disseram.




 25 estupradores muçulmanos de crianças confrontados fora do tribunal de Halifax pelo EDL (Liga de Defesa Inglesa),  Fevereiro 2015.


A razão desta longa introdução, antes de chegar aos dados objectivos e aos links, é que ainda há pessoas, de orientações políticas variadas, que continuam a recusar-se a acreditar que há um problema com o Islão organizado e os crimes sexuais no Reino Unido. Essas pessoas recusam-se a acreditar em notícias de jornal sobre os principais casos de estupro islâmico e mostram a sua negação da realidade dizendo: "Mas a maioria dos pedófilos são brancos não muçulmanos" ou "Muitos irlandeses comem pizza, a etnia não tem nada a ver com essas infracções”. 


À primeira vista, eles estão parcialmente correctos. Porque a população da Grã-Bretanha é principalmente branca, então a maioria dos pedófilos são brancos. No entanto, quando olhamos para os alvos e para os gangues que cometem crimes sexuais, então a história muda. E começamos a ver uma preponderância de homens muçulmanos.


O número de homens muçulmanos envolvidos nesse tipos de crimes é completamente fora de proporção quando comparamos a população muçulmana com outros grupos. Por exemplo, eu sou judeu, e sim, também temos os nossos criminosos sexuais. Infelizmente, a obrigação de cumprirmos 613 mandamentos de D'us, não significa que nós também não tenhamos as nossas maçãs podres, assim como as têm os cristãos, os sikhs ou os hindus. No entanto, o número de criminosos sexuais judeus está em proporção com os que existem entre a população não-judaica. Também o tipo de agressores sexuais e a forma como eles têm acesso às vítimas é semelhante. As vítimas são membros da família ou estão sob a autoridade de uma figura comunitária que abusa dessa autoridade. Abuso familiar e abuso por parte de figura de autoridade acontecem em todas as comunidades. Os crimes relacionados com gangues de tráfico sexual são muito menos prevalentes nas comunidades mais amplas, e, quando raramente aparecem, são uma aberração. 


O que verificamos, quando estudamos os relatórios governamentais e as notícias veiculadas na Imprensa, é que os crimes cometidos por gangues de violadores pedófilos são dominados pelos muçulmanos.


Agora que temos a longa introdução terminada, vamos continuar com os dados.



O delegado da Polícia de South Yorkshire, David Crompton, enfrenta o escrutínio, espanto e desgosto do Comité de Assuntos Internos. A polícia em Rotherham, na Inglaterra, permitiu pelo menos 1.400 (quase todas as meninas foram estupradas porque eram brancas) vidas de BRANCOS NÃO MUÇULMANOS foram destruídas! - A POLÍCIA optou por agir de forma POLITICAMENTE CORRECTA e não conseguiu prender os perpetradores que eram (quase todos) HOMENS PAQUISTANESES MUÇULMANOS. [Esta foi uma reunião do Comité de 2 de Setembro de 2014]

Primeiro, vamos olhar para Rotherham, provavelmente o mais notório caso de estupro islâmico que vimos, e aquele que, juntamente com o caso Rochdale, primeiro alertou o público em geral para o facto de que a Grã-Bretanha tem um problema com os estupradores e pedófilos muçulmanos.


Se as pessoas quiserem procurar dados sólidos sobre este caso, o Relatório Jay, criado pelo governo para analisar os problemas com os gangues de estupradores pedófilos, é provavelmente um bom lugar para começar. O Relatório Jay afirma que aproximadamente 1.400 meninas nas áreas de Rotherham, com idades entre 11 e 16 anos, foram abusadas por homens predominantemente "asiáticos". É pertinente examinar se o uso da palavra "asiático" é apropriado. 


Embora a palavra "asiático" seja usada nos meios de comunicação e em muitos dos relatórios oficiais sobre estes casos de gangues de estupro, a maioria dos nomes dos envolvidos mostra que os membros desses gangues são predominantemente muçulmanos.



A prestigiada BBC esconde o estupro islâmico - desde logo chamando asiáticos" aos muçulmanos.




Este número de 1.400 crianças estupradas já de si é horrível, mas, quando tomamos consciência de que a população muçulmana de Rotherham é apenas 3,6% da população 109,691 pessoas da cidade, isso significa que existe um grande número de infractores vindos de uma comunidade bastante pequena. Isto mostra que uma proporção relativamente grande da população masculina de muçulmanos em Rotherham tem estuprado, tem abusado sexualmente e tem traficando meninas e raparigas jovens da área.


Um bom sumário do Relatório Jay pode ser encontrado no site No2Abuse embora este site tenha cometido um erro de digitação no título desta peça:

http://www.no2abuse.com/index.php/articles/comments/jay-report-reveals-the-sexual-abuse-of-14000-children-in-rotherham

Se as pessoas quiserem ler o Relatório Jay original, ele pode ser encontrado no site do Parlamento.

https://www.parliament.uk/business/committees/committees-a-z/commons-select/communities-and-local-government-committee/inquiries/parliament-2010/jay-report-rotherham/


Eu não considero o Relatório Berelowitz suficientemente esclarecedor sobre a exploração sexual das crianças (ESC) no geral, porque deixou de parte deliberadamente a questão dos gangues organizados de estupradores muçulmanos. O Relatório Jay, por outro lado, olhou para este aspecto no caso de Rotherham. Deve-se notar que quando o Relatório Berelowitz saiu, a falta de ênfase no problema do ódio islâmico foi fortemente promovida pela BBC. A BBC, deve ser dito, tem sua própria agenda e às vezes as produções da BBC, por via dessa agenda, podem ser um pouco "económicas com a verdade".


Aqui está um link para as diferentes secções do Relatório Berelowitz:

http://www.childrenscommissioner.gov.uk/inquiry-child-sexual-exploitation-gangs-and-groups


Não há nenhuma dúvida há uma cultura da violação no Reino Unido, e que lhe é permitido florescer por causa da palavra "racista".


Aqui está Sue Berelowitz defendendo o seu relatório de críticas no Guardian (onde mais?)

https://www.theguardian.com/society/2012/nov/21/children-commissioner-defends-sex-abuse-report

Outra fonte que eu recomendo é o livro 'Easy Meat' de Peter McLaughin, que empreendeu um estudo aprofundado do problema da criminalidade sexual islâmica na Grã-Bretanha.


Aqui está o link para a página 'Easy Meat' no Amazon. Por favor, note a crítica excelente, porTheodore Dalrymple:


https://www.amazon.com/Easy-Meat-Britains-Grooming-Scandal/dp/1943003068/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1468092554&sr=1-1&keywords=Easy+Meat


Há também um artigo muito bom sobre o caso de Rotherham da autoria de Sir Roger Scruton, publicado na revista Forbes. O estudo mostra como a cultura do politicamente correcto permitiu que um grande número de meninas fosse vítima dos estupradores islâmicos de Rotherham:


http://www.forbes.com/sites/rogerscruton/2014/08/30/why-did-british-police-ignore-pakistani-gangs-raping-rotherham-children-political-correctness/#3e43e2465a7c


O Channel 4 News também tem um artigo interessante, que conta com especialistas policiais em exploração infantil, afirmando que uma maioria significativa de estupradores são "asiáticos", ou seja, muçulmanos. Este artigo foi publicado em 2011, antes de estudos posteriores que mostrarem que o estupro de crianças foi dominada por muçulmanos. Também foi publicado antes de o caso de Rotherham ter invadido a consciência pública.


http://www.channel4.com/news/ceop-warns-against-focus-on-race-after-major-grooming-study


O elogio deve igualmente ser dado a Andrew Norfolk, do The Times, que empreendeu investigações sobre os problemas com os gangues de estupradores muçulmanos. Se tem conta no The Times, pode encontrar e ler as peças do Sr. Norfolk, muitas vezes inovadoras.


Eu também aconselharia as pessoas a lerem o trabalho de Anne-Marie Waters, da Shariah Watch, que também prestou serviços de primeira linha a toda a nação, ajudando a manter a questão do crime sexual islâmico à vista do público. O site Shariah Watch pode ser encontrado aqui:


http://www.shariawatch.org.uk/

Agora vamos para essa outra cidade com um problema notório de fúria de estupro islâmico, similar à de Rotherham: a cidade de Rochdale.

Até agora, houve dois grandes julgamentos de homens, na sua maioria muçulmanos, que foram condenados por terríveis abusos.

Aqui estão os detalhes do primeiro caso, de 2015:

http://www.bbc.co.uk/news/uk-england-17993003


E um outro caso de 2016:


https://www.theguardian.com/uk-news/2016/apr/08/rochdale-grooming-case-10-men-sentenced-to-up-to-25-years-in-jail


Muçulmanos na Europa dizem que, assim que tomarem o poder, legalizarão o estupro.


Estes casos podem ser apenas a ponta de um iceberg muito desagradável, pois é altamente provável que haja outros casos com outras vítimas que podem ainda ser descobertos em Rochdale. Algumas das vitimas dos gangues de estupradores muçulmanos em Rochdale podem não ter ainda aparecido, e algumas ficaram tão traumatizadas que se suicidaram.


A cidade litoral de Blackpool também não foi intocada pelo crime sexual islâmico.


Enquanto a Polícia estava a investigar o desaparecimento de Charlene Downes, descobriu que pelo menos 60 meninas tinham sido sujeitas a abuso sexual em lojas de comida muçulmanas na cidade. A Polícia identificou 11 dessas lojas que eram bordéis, onde os homens muçulmanos engodavam meninas entre 13 e 15 anos, com bebida, comida e cigarros, a fim de persuadi-los a ter relações sexuais com eles.

http://www.telegraph.co.uk/news/uknews/law-and-order/8433887/60-girls-groomed-for-sex-at-takeaway-shops-in-Blackpool.html

A jovem Charlene Downes, de 14 anos, foi forçada a entrar numa rede de estupradores islâmicos, assassinada, desmembrada por dois homens muçulmanos e vendida como carne de kebab numa loja de fast food. 


Não devemos cair na preguiça de acreditar que é só 'o Norte' que é afectado pelos gangues da violadores muçulmanos e seus crimes. Os casos de Oxford e Aylesbury deveriam desautorizar-nos de tal crença.

O caso de Oxford foi um caso em que os acusados e condenados podem não ser os únicos muçulmanos que estiveram envolvidos em tais abusos sexuais. Uma revisão séria do caso disse que pode haver um total de 373 meninas estupradas por gangues ao longo dos anos em Oxfordshire. Como muitos dos envolvidos em casos semelhantes são muçulmanos, é altamente provável que a maioria dos criminosos nos casos de Oxfordshire sejam muçulmanos.


Aqui está um relatório que menciona a revisão do grave caso:


http://www.bbc.co.uk/news/uk-england-oxfordshire-31643791

Eis um relatório do julgamento original. A maioria dos condenados neste caso são muçulmanos:

http://www.bbc.co.uk/news/uk-england-oxfordshire-23079649


O caso dos violadores de Aylesbury mostra novamente uma preponderância de muçulmanos, embora um dos infractores fosse, excepcionalmente nestes casos, um sikh:


http://www.bbc.co.uk/news/uk-england-oxfordshire-23079649


No caso de Aylesbury a vítima foi violada por, pelo menos, 70 homens, mas nem todos foram identificados ou processados.


As Midlands da Inglaterra, que também têm um grande número de muçulmanos, também são susceptíveis de se tornarem locais de eleição para o crime sexual islâmico. Um relatório no Birmingham Mail, comentado por mim mesmo, mostra que 75% dos abusos sexuais cometidos na cidade são realizadas por "asiáticos". Como é costume nestes casos, a palavra "muçulmano" é substituída pela palavra "asiático". Como em casos semelhantes, apenas uma pequena minoria dos condenados têm nomes sikh ou hindus.


http://www.fahrenheit211.net/2014/10/17/the-figure-that-75-of-grooming-offences-are-done-by-muslims-is-going-to-upset-west-midlands-police-who-have-become-britains-most-shariah-friendly-police-force/


Em outro caso que este blogue tem acompanhado, o de Coventry, também parece haver uma preponderância de muçulmanos envolvidos nas redes de estupradores, e é provável que Coventry, como Birmingham, Rotherham, Rochdale e Oxford, seja o lar de outro enorme escândalo de fúria estupradora islâmica.


http://www.fahrenheit211.net/2016/03/03/coventry-how-big-is-the-islamic-rape-gang-problem-going-to-turn-out-to-be/


Para que não cometamos o erro de pensar que estes são todos os casos registados, e que as coisas agora estão melhores, devemos dar uma olhadela no Nordeste da Inglaterra. Lá, a Polícia de Northumbria tem descoberto casos de abuso sexual organizado em grande escala, muito dele realizado por muçulmanos. Até agora, 31 pessoas foram acusadas de ofensas relacionadas com o aliciamento, muitas delas muçulmanas.


Num caso relacionado com a Operação Sanctuary, 20 homens, 18 deles com nomes muçulmanos e um deles sem nome, foram acusados de ofensas sexuais, incluindo incitar a prostituição para lucro. Este caso refere-se a raparigas e mulheres jovens com idades compreendidas entre os 13 e os 25 anos.




http://www.chroniclelive.co.uk/news/north-east-news/northumbria-police-charged-20-people-8587632


Antes de darmos uma palmadinha nas costas da Polícia de Northumbria pela Operação Santuary, devo dizer que tive correspondentes a darem-me conta de uma grande dose de inacção da Polícia de lá em relação ao crime sexual islâmico. Foram apenas as revelações sobre Rotherham e outros lugares que deram à Polícia o necessário pontapé no rabo para começar a lidar com esse terrível problema. Esses correspondentes disseram-me que a Polícia não estava interessada em investigar, até que a pressão pública a obrigou.




Os gangues de estupro não afectam apenas o Reino Unido.



Todos os casos acima mencionados são apenas alguns dos de alto perfil. Há muitos mais casos de crimes sexuais relacionados com o Islão, e não apenas no Reino Unido, mas em toda a Europa. Eu não pretendo nesta peça falar em outros países da Europa, para não a tornar ainda mais longa, mas recomendaria o Brietbart London como um dos sites que cobrem este problema de uma forma muito mais honesta do que alguns meios de comunicação. Uma busca no Brietbart mostrar-lhe-á o que está a acontecer por aí. Embora o Brietbart seja um site conservador, o seu jornalismo de investigação do crime sexual islâmico é muito bom.


O Brietbart London pode ser encontrado aqui:

http://www.breitbart.com/london/


Embora os delinquentes sexuais venham de todas as comunidades, é inegável, para qualquer pessoa que prime pela honestidade e boa vontade, e que tenha interesse na Justiça, que a Grã-Bretanha tem um problema de criminosos sexuais muçulmanos.


Para aqueles que desejam ter uma imagem de quão grave éo problema do crime sexual islâmico na Grã-Bretanha, posso recomendar muitíssimo o site Kafircrusader. Este site anti-islâmico tem um excelente mapa mostrando os ataques de muçulmanos individuais e de gangues de muçulmanos. 


O site Kafircrusaders pode ser encontrado aqui:


https://kafircrusaders.wordpress.com/


O mapa dos crimes sexuais islâmicos pode ser encontrado aqui:


https://kafircrusaders.wordpress.com/muslim-grooming-paedo-map/


 Os muçulmanos explicam sem meias palavras que vieram para a Europa para estuprar mulheres e crianças.

Tenho boas razões para acreditar que o mapa do Kafircrusader não mostra todos crimes que foram reportados, dado o seu número avassalador. Eu sei que perdi a conta de quantos'Mohammed', 'Hasan' e 'Abdul' eu vi em tantos relatórios e notícias diferentes.


A escala do crime sexual islâmico no Reino Unido é enorme, e engloba não apenas a exploração sexual infantil organizada e o tráfico sexual por gangues de muçulmanos, mas também inclui estupradores muçulmanos individuais, apalpadores muçulmanos e os famosos muçulmanos masturbadores públicos de Bradford.


Http://www.fahrenheit211.net/2015/11/18/ladies-and-gentlemen-we-now-have-for-your-delight-or-not-more-wking-muslims/


Para concluir, a Grã-Bretanha tem um problema maciço de crime sexual islâmico, e a razão para isso está enraizada no próprio Islão. O Islão é um sistema de crença altamente supremacista e misógino onde os homens muçulmanos estão no topo da árvore hierárquica e as mulheres não-muçulmanas estão no fundo. O Islão não tem nenhuma proibição significativa sobre o que chamaríamos de pedofilia. O Islamismo trata as mulheres como cidadãos de segunda ou terceira classe e acredita que a escravidão sexual é aceitável porque o "profeta" islâmico Mohamed a aprovou e, de facto, a praticou. Uma mulher não-muçulmana, porque está no fundo da hierarquia da Humanidade, de acordo com a crença islâmica, é um "alvo legítimo" para a exploração sexual por parte dos homens muçulmanos.


Aqueles que negam que a Grã-Bretanha tem um problema de crime sexual islâmico, especialmente os não-muçulmanos que o fazem, são, na pior das hipóteses, desonestos, ou, na melhor das hipóteses, não estão a abrir as suas mentes para o que se passa. Claro que os crimes sexuais de vários tipos são cometidos por membros de todas as raças e por todos os grupos religiosos, eu não sonharia negar isso. No entanto, os dados e as histórias relatadas mostram que são os seguidores do Islão, esta proporção relativamente pequena da população da Grã-Bretanha, que estão a cometer uma enorme quantidade de crimes sexuais.


Também existem alguns tipos de crimes sexuais, principalmente os gangues do sexo, que parecem dominados por homens muçulmanos. O crime sexual relacionado com gangues é predominantemente muçulmano e os membros não-muçulmanos desses gangues são uma minoria absoluta. Neste ponto, preciso dizer que os links que coloquei neste artigo não são de forma alguma a totalidade dos relatórios sobre gangues de violação islâmica e outros crimes islâmicos, mas eles devem dar uma ideia do que está a acontecer. Há muito mais por aí, é preciso é querer ver. 


No meu passado, talvez eu não tenha acreditado inicialmente nos rumores de terríveis crimes cometidos por muçulmanos porque eles pareciam tão estranhos e inacreditáveis, mas agora eu acredito. Fui convencido não por rectórica emotiva, mas por evidências. Aqueles que me pediram provas das minha declaração de que a Grã-Bretanha tem um problema de violação islâmica têm-na agora na forma deste artigo e nas muitas outras peças e notícias escritas por outros que estão na web. 


Aqueles que continuam a negar que a Grã-Bretanha tem um problema de crime sexual islâmico têm provas suficientes agora para ver o que está a acontecer e de que a sua recusa em, acreditar é um erro. 


Eles não têm desculpa para a ignorância, e certamente não há desculpa para dizer 'la la la, não estou a ouvir-te', quando os factos são apresentados. Aqueles que continuam a negar este problema estão a cometer uma desonestidade terrível, e essa desonestidade está a ajudar e a instigar os criminosos sexuais islâmicos, que têm sido autorizados a caçar as nossas mulheres e os nossos filhos por muito tempo. Aqueles que negaram este problema no passado precisam decidir se estão do lado das vítimas da selvageria mais terrível, ou se vão continuar a defender os interesses dos muçulmanos que estão, como sempre a fazer o jogo da vitimização.


- Via TERROR SCOOP



Publicado originalmente no site FARENHEIT21, que contém notícias permanentes sobre os gangues de estupradores muçulmanos e sobre a jihad sexual. É vulgar, hoje em dia, por exemplo, a Polícia encontrar em anexos escondidos, nos clubes só para muçulmanos, bordéis com crianças europeias. Ou os taxistas muçulmanos que estupram as crianças europeias. Os muçulmanos trazem os seus costumes para o Mundo Livre, juntamente com o seu proverbial supremacismo e desdém pelos infiéis. O Mundo Livre curva-se ao Islão, que já vai sendo imposto nas escolas primárias. Talvez já seja tarde para salvar a Europa.